Sou tudo aquilo que escrevo.Não há melhor forma de me conhecer.Nas palavras encontrei todos os sentidos.Nos gestos descobri todas as emoções. No amor descobri a vida em mim.Tudo em mim é mar, calmo ou violento, quando olharem esse azul imenso de água pleno, relembrem as palavras que escrevi, esse é o segredo de estar aqui.
Domingo, 29 de Junho de 2008

Aromas nos gestos

Nas tuas caricias
sinto o aroma

dos cedros e das madrugadas


Sinto um odor a malmequeres

 as nuvens roçarem o meu rosto
 


Nos teus gestos de amiba

sinto o toque das anémonas
no fundo do mar
 


O teu corpo envolto no meu

sinto a brisa das searas ondulantes
 
 
A tua pele na minha pele
O meu coração no teu coração
A tua alma gémea da minha
 


Sinto assim um grito de amor em silêncio

cá dentro que invade
 


Sinto as palavras caminharem

ao encontro das mãos que cantam
 


E quero,

Quero os teus sonhos
companheiros dos meus
Quero os teus desejos
guardados na minha eterna
vontade de ser tua.
 


E sei,

Sei que estes são todos os momentos
do antes, do agora e do depois para sempre
 
Assim em ti, em mim
no nosso AMOR.
 


28/06/08,

Hotel Villa d'Italia (Cascais)
Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 22:59

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Respirar-te

Abri os olhos e adormeci os sonhos
Desenlacei as saudades nos gestos embaraçados
 

Suavemente abracei os momentos tão desejados

Nas mãos macias guardei a pele que ainda sinto no respirar 

Do teu rosto fiz encantos que os meus labios saboreiam 

Sei agora que o nosso amor acorda todas as magias

Sei agora que todos os olhares, todos os gestos

são caminhos ao luar

são a luz que abre a janela para o mar do nosso reencontro.

Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 22:51

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

A musica nas tuas mãos..

Os sons das tuas mãos

são como o silêncio no teu olhar
As tuas teclas

são as palavras que não sei cantar.
No silêncio do teu olhar

existe toda a essência de um gesto que não foi preciso dizer..
apenas amar-te inteiro em todo o meu ser.

_________________________________

 

Ao ouvir-te tocar sou como a criança mais feliz ao abrir o presente tão esperado
Cada nota, melodia que paira nuvem no ar
é um pouco de cada sorriso que enche de alegria a minha alma.

21/06/2008

Hotel Villa d'Italia (Cascais)

 

Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 22:44

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

Janela do teu olhar

Parei neste instante
Fiquei assim enlevada
Permaneci por dentro dos encantos
Caminhei por entre as nuvens
Nos trilhos da magia
Nos caminhos de regresso a ti

E no brilho do teu olhar
da pele fiz espelho
das caricias em mim guardadas
em segredo à tua espera

Cheguei a mim o teu rosto
e das pequenas mãos
em gestos criança
descobri em silêncio
todas as palavras
todos os momentos
plenos das saudades
dos sonhos que habitam
na quimera do horizonte

E foi então
que o sol e a lua fizeram manto
na janela do teu olhar
embalaram todo o amor
que respira meu coração.

14/06/2008

Sinto-me:
Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 00:01

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 15 de Junho de 2008

Para o meu amor..

Ao longe, aqui tão perto  

Por detrás da brisa do teu olhar

Senti a pele tocar o coração
Senti o mar dos teus beijos
Desaguar na pele do meu corpo
Senti-te em mim...

8/06/2008 
 

 

 

Sinto-me:
Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 23:53

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 18 de Maio de 2008

_Heart_Soul_

Escondidos no meio de nada
Quando do nada se erguem as tuas mãos,
E com elas percorres os recantos,
de uma alma que é só tua.
Conheces cada expressão, cada gesto
E em cada palavra decifras os sentidos
Nas pontas dos dedos encontras em mim,
o sabor de te querer...
Os segredos que guardo em ti,
São nossos, só nossos e aos nossos dias
pertencem ...

 

Somos o que somos e estamos onde estamos porque primeiro o imaginamos.(DONALD CURTIS)

Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã.
(VICTOR HUGO)

Lembro de ter lido sobre a quantidade espantosa de pessoas que morrem nos Estados Unidos dentro de três anos depois da aposentadoria, o que demonstra para mim que se você perde o senso de que está produzindo ou contribuindo, de algum forma, literalmente; perderá a vontade de viver, e que se tiver um motivo para se enforcar, acabará por fazê-lo. Estudos comprovaram que pessoas idosas, ou doentes, próximos da morte, muitas vezes cometem suicídio logo, depois dos feriados de fim de ano. Enquanto contam com alguma coisa como o Natal ou a visita da família para ansiar, possuem um motivo para viver; mas depois que passa, não existe mais um futuro irresistível. Esse fenômeno não ocorre apenas nos Estados Unidos; já foi constatado em outras culturas, no mundo inteiro.
(Anthony Robbins do livro “Desperte o gigante interior”)

Devemos lembrar que toda tomada de decisão se resume a uma definição de valores. Quando sabe o que é mais importante para você, a decisão é bem mais simples. A maioria das pessoas, no entanto, é indefinida sobre o que é mais importante em sua vida, e com isso a tomada de decisão se torna uma forma de tortura interior. (Anthony Robbins do livro “Desperte o gigante interior”)

O poder humano é o conhecimento organizado que se expressa por meio de esforços inteligentes. (Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Todas as formas de energia e todas as espécies de vida animal ou vegetal, para sobreviverem, precisam ser organizadas. Os fósseis dos imensos animais pré-históricos apresentam evidências positivas de que não-organização significa aniquilamento. (Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

O astuto homem de negócios não somente reconhece a importância da lei do esforço organizado, como também faz dessa lei a urdidura e a trama do seu poder.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Mesmo sem qualquer conhecimento sobre o princípio da química mental, sem mesmo saber de sua existência, muitos homens acumularam grande poder, simplesmente organizando o conhecimento que possuíam. (Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Fiz uma vez uma longa viagem para ver Jack Dempsey treinar para uma luta séria. Observei que o conhecido pugilista não fazia apenas um tipo de exercício, mas, ao contrário, praticava vários. O saco de areia o auxiliava a desenvolver a força de certos músculos e também treinava a vista na rapidez. Os halteres serviam para treinar um outro grupo de músculos. A corrida desenvolvia os músculos das pernas e coxas. Uma alimentação racional, bem calculada, lhe dava o suficiente para o desenvolvimento muscular sem acúmulo de gorduras. Hábitos adequados de sono, diversões e descanso lhe davam ainda outros requisitos necessários para a vitória. É preciso não esquecer, portanto, que o espírito requer, para seu desenvolvimento, uma variedade de exercícios - tal como acontece com o físico - e, para alcançar seu completo desenvolvimento, exige muitas formas de exercício sistemático.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Todo estrategista, seja no campo do comércio, da guerra, da indústria ou de outras atividades, compreende perfeitamente o valor de um esforço organizado.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Há menos de trinta anos, na casa onde trabalhara Henry Ford, havia outro homem que fazia o mesmo trabalho que ele. Dizia-se que esse homem era realmente um operário mais competente do que o próprio Ford, naquela espécie de trabalho. Hoje, o nosso homem tem ainda o mesmo emprego, ao passo que Ford é o homem mais rico do mundo.
Que diferença tão notável existiria entre esses dois homens, para que se verificasse tão grande diversidade de fortuna entre eles? É que Ford compreendeu e aplicou o princípio do esforço organizado, ao passo que o outro não cuidou disso.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Um dos fatos mais surpreendentes trazidos a lume por essas 6 mil análises foi a descoberta de que noventa e cinco por cento das pessoas classificadas como fracassadas estavam em tal classe porque não tinham um objetivo definido na vida, enquanto os outros cinco por cento eram constituídos por indivíduos que triunfaram, não somente porque os seus propósitos eram definidos, como também porque tinham planos definidos para a consecução do seu objetivo.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Há uma razão psicológica, bem como outra de ordem econômica, para a seleção de um objetivo principal definido na vida. Em primeiro lugar dediquemos nossa atenção ao lado psicológico da questão. (...) Os atos das pessoas estão sempre em harmonia com os pensamentos que lhes dominam o cérebro.(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Qualquer objetivo principal definido deliberadamente fixado na mente e nela conservado, tendo-se a determinação de realizá-lo, acaba por saturar todo o subconsciente até influenciar automaticamente a ação física do corpo, para a consecução do referido propósito.(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

O objetivo principal na vida deve ser escolhido com um grande cuidado e, depois de escolhido, deverá ser escrito e colocado num lugar onde se possa vê-lo pelo menos uma vez por dia. Isso tem por efeito psicológico impressionar o subconsciente da pessoa de tal maneira que ela aceita esse propósito como um lema, um projeto, uma "planta” que finalmente dominará as suas atividades na vida e a guiará, passo a passo, para a consecução desse objetivo.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Todos os grandes líderes baseiam sua liderança num objetivo principal definido. Seguidores se sentem bem sendo seguidores quando notam que o seu líder é uma pessoa que tem um objetivo definido, que tem a coragem de apoiar esse propósito com ação. Mesmo um cavalo teimoso sabe que condutor está manejando as suas rédeas; e se rende ao cavaleiro. Quando um homem com um objetivo definido atravessa uma multidão, todos lhe abrem caminho, mas quando um homem hesita e mostra por suas ações, que não está muito certo da trilha que quer seguir, a multidão se recusará a atender e não cederá uma polegada de terreno.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Se um navio perde o leme no meio do oceano e começa a girar em torno de si mesmo, gastará todo o combustível sem chegar ao seu destino, apesar de gastar energia suficiente para atingi-lo e dele voltar várias vezes. O homem que trabalha sem um propósito definido, que não é apoiado por um plano definitivo para sua execução, se assemelha ao navio que perdeu o leme.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Trabalho árduo e boas intenções não são suficientes para conduzir um homem ao triunfo, pois, como pode um homem estar certo que alcançou um êxito, sem ter antes estabelecido no espírito algum objetivo definido que deseje?
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Se o triunfo depende de poder, se o poder é o esforço organizado, e se o primeiro passo na direção da organização é um propósito definido, é então muito fácil ver a razão pela qual esse propósito é essencial!
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Enquanto não escolhe um propósito definido na vida, o homem dissipa energias e dispersa pensamentos sobre diversos assuntos e em variadas direções, que não conduzem ao poder, mas à indecisão e à fraqueza.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

De uma vaga maneira, quase todas as pessoas têm um propósito, isto é, o desejo de ganhar dinheiro. Mas isso não é propósito definido. Antes de o nosso propósito poder ser considerado como definido, mesmo que esse objetivo seja a acumulação de dinheiro, precisamos chegar a uma decisão quanto ao método preciso por meio do qual pretendemos acumular dinheiro. Não basta dizer que se ganhará dinheiro empenhando-se em qualquer espécie de negócio. É preciso escolher o gênero de negócio. Deve-se também decidir o ponto onde ele será localizado, bem como as normas em que deve ser conduzido.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

O hábito de trabalhar com um objetivo definido irá ajudá-lo a concentrar toda a atenção numa determinada missão, até realizá-la.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

A concentração do esforço e o hábito de trabalhar com um propósito, eis os dois fatores essenciais para o triunfo, e que se encontram sempre juntos. Um faz nascer o outro.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Os mais prósperos homens de negócios são pessoas de pronta decisão que trabalham sempre com um propósito principal, como finalidade na vida.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

O homem geralmente triunfa com mais facilidade num campo de esforços em que se lança de corpo, alma e coração.

(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Desde o momento em que estabelecer no seu pensamento um propósito definido, sua mente começa tanto conscientemente como inconscientemente a reunir e armazenar o material com o qual o fará alcançar o seu propósito.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

O simples desejo de possuir um automóvel não fará com que o mesmo venha rodando ao nosso encontro, mas se houver um desejo ardente de possuir o automóvel, esse desejo conduzirá à ação apropriada por meio da qual ele será adquirido.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Eis os passos que conduzem do desejo à realização: Primeiro, o desejo ardente; em seguida, a cristalização desse desejo num propósito definido, e finalmente a ação adequada para conseguir o propósito.

(NapoleonHill do livro “A lei do triunfo”)
Certa ocasião, conheci uma jovem muito pobre que tinha um desejo ardente de casar-se com um homem rico, e finalmente conseguiu o que queria, mas não sem ter antes transformado esse desejo no desenvolvimento de uma personalidade muito atraente, que, por sua- vez, atraiu o marido desejado.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Nada conseguirá quem nada tenta. Se o nosso objetivo na vida é vago, nossas realizações também o serão e podemos acrescentar: serão bem escassas. É preciso saber o que se quer, quando e como se espera alcançar o que se quer.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

De vez em quando pode tornar-se preciso mudar os planos adotados para a realização de um objetivo principal definido. Façam-se essas modificações sem hesitação. Nenhuma criatura humana é dotada de capacidade de previsão suficiente para formular planos que não precisem de mudanças e adaptações.
(Napoleon Hill do livro “A lei do triunfo”)

Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!
Fernando Pessoa

 

Felicidade realista

 

De norte a sul, de leste a oeste, todo mundo quer ser feliz. Não é tarefa das mais fáceis. A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica, a bolsa Louis Vitton e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.

É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Por que só podemos ser felizes formando um par, e não como ímpares? Ter um parceiro constante não é sinônimo de felicidade, a não ser que seja a felicidade de estar correspondendo às expectativas da sociedade, mas isso é outro assunto. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com três parceiros, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um game onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo.
Martha Medeiros

 

Perguntei a um sábio ,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas ,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.


William Shakespeare

 

Se você sabe o que fazer, sabe como fazê-lo, age a partir de seu conhecimento e de fato faz o que quer fazer, alcançará o que quer que deseje e se tornará quem você deseja ser. É muito simples.

(Gennady Basin do livro “A arte de se tornar”)

Que o vosso Sim seja Sim e que o vosso Não seja Não. (Mateus 5:37)

Sem sonhos, as perdas se tornam insuportáveis, as pedras do caminho se tornam montanhas, os fracassos se transformam em golpes fatais.
Mas se você tiver grandes sonhos...
Seus erros produzirão crescimento, seus desafios produzirão oportunidades, seus medos produzirão coragem.
(Augusto Cury do livro “Nunca desista de seus sonhos”)

Moisés, Einstein, Thomas Edison, e muitos outros foram grandes sonhadores. Estes homens mudaram a história porque tiveram grandes projetos. Tiveram grandes projetos porque viveram grandes sonhos. Seus sonhos aliviaram suas dores, trouxeram esperanças nas perdas, renovaram suas forças nas derrotas. Seus sonhos transformaram sua inteligência num solo fértil.
(Augusto Cury do livro “Nunca desista de seus sonhos”)

A presença dos sonhos transforma os miseráveis em reis, e a ausência dos sonhos transforma milionários em mendigos. A presença de sonhos faz de idosos, jovens, e a ausência de sonhos faz de jovens, idosos.
(Augusto Cury do livro “Nunca desista de seus sonhos”)

A juventude mundial está perdendo a capacidade de sonhar. Os jovens têm muitos desejos, mas poucos sonhos. Desejos não resistem às dificuldades da vida, sonhos são projetos de vida, sobrevivem ao caos.
(Augusto Cury do livro “Nunca desista de seus sonhos”)

O ser humano não pode viver muito tempo no vácuo. Se não estiver evoluindo em direção a alguma coisa acaba por estagnar-se; as potencialidades transformam-se em morbidez e desespero e eventualmente em atividades destrutivas.
(Rollo May do livro “O homem à procura de si mesmo”)

Seus sonhos mantêm aceso o fogo sagrado em seu coração. Eles são a seiva da vida. Nós envelhecemos não porque o tempo passa, mas principalmente porque abandonamos nossos sonhos.

(Roberto Shinyashiki do livro “O sucesso é ser feliz”)

 

Amiga, como são desnorteantes
os caminhos da amizade.
Apareceste para ser o ombro suave
onde se reclina a inquietação do forte
(ou que forte se pensava ingenuamente).
Trazias nos olhos pensativos
a bruma da renuncai:
não querias a vida plena,
tinhas o prévio desencanto das uniões para toda a vida,
não pedias nada,
nao reclamavas teu quinhão de luz.
E deslizavas em ritmo gratuito de ciranda.

Descansei em ti meu feixe de desencontros
e de encontros funestos.
Queria, talvez - sem o perceber, juro -
sadicamente massacrar-te
sob o ferro de culpas e vacilações e angústias que doíam
desde a hora do nascimento,
senão desde o instante da concepção em certo mês perdido
na Histéria
ou mais longe, desde aquele momento intemporal
em que os seres são apenas hipóteses não formuladas
no caos universal.


Como nos enganamos fugindo ao amor!
Como o desconhecemos, talvez com receio de enfrentar
sua espada coruscante, seu formidável
poder de penetrar o sangue e nele imprimir
uma orquídea de fogo e lágrimas.
Entretanto, ele chegou de manso e me envolveu
em doçura e celestes amavios.
Não queimava, não siderava; sorria.
Mal entendi, tonto que fui, esse sorriso.
Feri-me pelas próprias mãos, não pelo amor
que trazias para mim e que teus dedos confirmavam
ao se juntarem aos meus, na infantil procura do Outro,
o Outro que eu me supunha, o Outro que te imaginava,
quando - por esperteza do amor - senti que éramos um só.


Amiga, amada, amada amiga, assim o amor
dissolve o mesquinho desejo de existir em face do mundo
com olhar pervagante e larga ciência das coisas.
Já não defrontamos o mundo: nele nos diluímos,
e a pura essência em que nos transmutamos dispensa
alegorias, circunstâncias, referências temporais,
imaginações oníricas,
o vôo do Pássaro Azul, a aurora boreal,
as chaves de ouro dos sonetos e dos castelos medievos,
todas as imposturas da razão e da experiência,
para existir em si e por si,
à revelia de corpos amantes,
pois já nem somos nós, somos o número perfeito:


Levou tempo, eu sei, para que o Eu renunciasse
à vacuidade de persistir, fixo e solar,
e se confessasse jubilosamente vencido,
até respirar o jubilo maior da integração.
Agora, amada minha para sempre,
nem olhar temos de ver nem ouvidos de captar
a melodia, a paisagem, a transparência da vida,
perdidos que estamos na concha ultramarina de amar.

Carlos Drumond de Andrade

 

 

 

O QUE É A LEI DA ATRAÇÃO?


A Lei da atração é mais uma lei do Universo, a mais bela e sublime dentre todas que regem nossas vidas. Talvez um dia esse novo enigma possa ser decifrado finalmente pela ciência, como foram decifrados tantos outros mistérios do Universo como a Lei da Gravidade, a Teoria da Relatividade e a Lei da Ação e Reação. Todas teorias impensáveis e inimagináveis num certo momento da história e que de imediato não surtiram grandes efeitos, mas décadas depois se tornariam a base de nosso desenvolvimento e de nossa sociedade como um todo. A Revolução Industrial (Séc. XVII), em seguida a evolução tecnológica e agora mais recentemente a revolução nas comunicações, não existiriam da forma que conhecemos hoje se não fossem esses físicos e matemáticos brilhantes. A física do novo milênio, ou seja, a Física Quântica evidenciará essa descoberta e mostrará que não é possível se ter um Universo com a mente separada dele.

A Lei da Atração é uma lei que existe. Não é porque não podemos vê-la que não podemos acreditar. Não importa se você saiba ou não da sua existência, de uma maneira ou de outra ela estará agindo em sua vida. Não é porque não a conhece direito que não possa usufruir suas propriedades maravilhosas.

A Lei da Atração é um segredo que poucos desvendaram até hoje e o guardaram para si, por ser muito valioso. Está a sua disposição e poderá mudar sua vida se realmente perceber o poder que ela pode lhe proporcionar.

Nós, seres humanos somos privilegiados, somos os únicos seres vivos do Planeta que possui o dom de pensar, criar e desejar. Temos a capacidade de imaginar nossos sonhos e projetar uma realidade para o futuro. Temos o dom de sentir, de nos apaixonar, de amar e muito mais. Temos o dom de atrair tudo o que queremos para nossas vidas, esse é o verdadeiro presente que recebemos quando nascemos. Um presente incrível capaz de transformar e modificar as pessoas e tudo ao seu redor. Além do poder de atrair, possuímos o poder de acreditar.

 

O AMOR EM VISITA

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra
e seu arbusto de sangue. Com ela
encantarei a noite.
Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso lúbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.

Cantar? Longamente cantar,
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o pão for invadido pelas ondas,
seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes
ele - imagem inacessível e casta de um certo pensamento
de alegria e de impudor.

Seu corpo arderá para mim
sobre um lençol mordido por flores com água.
Ah! em cada mulher existe uma morte silenciosa;
e enquanto o dorso imagina, sob nossos dedos,
os bordões da melodia,
a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,
desfaz-se em embriaguez dentro do coração faminto.
- Ó cabra no vento e na urze, mulher nua sob
as mãos, mulher de ventre escarlate onde o sal põe o espírito,
mulher de pés no branco, transportadora
da morte e da alegria.

Dai-me uma mulher tão nova como a resina
e o cheiro da terra.
Com uma flecha em meu flanco, cantarei.

E enquanto manar de minha carne uma videira de sangue,
cantarei seu sorriso ardendo,
suas mamas de pura substância,
a curva quente dos cabelos.
Beberei sua boca, para depois cantar a morte
e a alegria da morte.

Dai-me um torso dobrado pela música, um ligeiro
pescoço de planta,
onde uma chama comece a florir o espírito.
À tona da sua face se moverão as águas,
dentro da sua face estará a pedra da noite.
- Então cantarei a exaltante alegria da morte.

Nem sempre me incendeiam o acordar das ervas e a estrela
despenhada de sua órbita viva.

- Porém, tu sempre me incendeias.
Esqueço o arbusto impregnado de silêncio diurno, a noite
imagem pungente
com seu deus esmagado e ascendido.
- Porém, não te esquecem meus corações de sal e de brandura.

Entontece meu hálito com a sombra,
tua boca penetra a minha voz como a espada
se perde no arco.
E quando gela a mãe em sua distância amarga, a lua
estiola, a paisagem regressa ao ventre, o tempo
se desfibra - invento para ti a música, a loucura
e o mar.

Toco o peso da tua vida: a carne que fulge, o sorriso,
a inspiração.
E eu sei que cercaste os pensamentos com mesa e harpa.
Vou para ti com a beleza oculta,
o corpo iluminado pelas luzes longas.
Digo: eu sou a beleza, seu rosto e seu durar. Teus olhos
transfiguram-se, tuas mãos descobrem
a sombra da minha face. Agarro tua cabeça
áspera e luminosa, e digo: ouves, meu amor?, eu sou
aquilo que se espera para as coisas, para o tempo -
eu sou a beleza.
Inteira, tua vida o deseja. Para mim se erguem
teus olhos de longe. Tu própria me duras em minha velada beleza.

Então sento-me à tua mesa. Porque é de ti
que me vem o fogo.
Não há gesto ou verdade onde não dormissem
tua noite e loucura,
não há vindima ou água
em que não estivesses pousando o silêncio criador.
Digo: olha, é o mar e a ilha dos mitos
originais.
Tu dás-me a tua mesa, descerras na vastidão da terra
a carne transcendente. E em ti
principiam o mar e o mundo.

Minha memória perde em sua espuma
o sinal e a vinha.
Plantas, bichos, águas cresceram como religião
sobre a vida - e eu nisso demorei
meu frágil instante. Porém
teu silêncio de fogo e leite repõe
a força maternal, e tudo circula entre teu sopro
e teu amor. As coisas nascem de ti
como as luas nascem dos campos fecundos,
os instantes começam da tua oferenda
como as guitarras tiram seu início da música nocturna.

Mais inocente que as árvores, mais vasta
que a pedra e a morte,
a carne cresce em seu espírito cego e abstracto,
tinge a aurora pobre,
insiste de violência a imobilidade aquática.
E os astros quebram-se em luz sobre
as casas, a cidade arrebata-se,
os bichos erguem seus olhos dementes,
arde a madeira - para que tudo cante
pelo teu poder fechado.
Com minha face cheia de teu espanto e beleza,
eu sei quanto és o íntimo pudor
e a água inicial de outros sentidos.

Começa o tempo onde a mulher começa,
é sua carne que do minuto obscuro e morto
se devolve à luz.
Na morte referve o vinho, e a promessa tinge as pálpebras
com uma imagem.
Espero o tempo com a face espantada junto ao teu peito
de sal e de silêncio, concebo para minha serenidade
uma ideia de pedra e de brancura.
És tu que me aceitas em teu sorriso, que ouves,
que te alimentas de desejos puros.
E une-se ao vento o espírito, rarefaz-se a auréola,
a sombra canta baixo.

Começa o tempo onde a boca se desfaz na lua,
onde a beleza que transportas como um peso árduo
se quebra em glória junto ao meu flanco
martirizado e vivo.
- Para consagração da noite erguerei um violino,
beijarei tuas mãos fecundas, e à madrugada
darei minha voz confundida com a tua.

Oh teoria de instintos, dom de inocência,
taça para beber junto à perturbada intimidade
em que me acolhes.

Começa o tempo na insuportável ternura
com que te adivinho, o tempo onde
a vária dor envolve o barro e a estrela, onde
o encanto liga a ave ao trevo. E em sua medida
ingénua e cara, o que pressente o coração
engasta seu contorno de lume ao longe.
Bom será o tempo, bom será o espírito,
boa será nossa carne presa e morosa.
- Começa o tempo onde se une a vida
à nossa vida breve.

Estás profundamente na pedra e a pedra em mim, ó urna
salina, imagem fechada em sua força e pungência.
E o que se perde de ti, como espírito de música estiolado
em torno das violas, a morte que não beijo,
a erva incendiada que se derrama na íntima noite
- o que se perde de ti, minha voz o renova
num estilo de prata viva.

Quando o fruto empolga um instante a eternidade
inteira, eu estou no fruto como sol
e desfeita pedra, e tu és o silêncio, a cerrada
matriz de sumo e vivo gosto.
- E as aves morrem para nós, os luminosos cálices
das nuvens florescem, a resina tinge
a estrela, o aroma distancia o barro vermelho da manhã.
E estás em mim como a flor na ideia
e o livro no espaço triste.

Se te apreendessem minhas mãos, forma do vento
na cevada pura, de ti viriam cheias
minhas mãos sem nada. Se uma vida dormisses
em minha espuma,
que frescura indecisa ficaria no meu sorriso?
- No entanto és tu que te moverás na matéria
da minha boca, e serás uma árvore
dormindo e acordando onde existe o meu sangue.

Beijar teus olhos será morrer pela esperança.
Ver no aro de fogo de uma entrega
tua carne de vinho roçada pelo espírito de Deus
será criar-te para luz dos meus pulsos e instante
do meu perpétuo instante.
- Eu devo rasgar minha face para que a tua face
se encha de um minuto sobrenatural,
devo murmurar cada coisa do mundo
até que sejas o incêndio da minha voz.

As águas que um dia nasceram onde marcaste o peso
jovem da carne aspiram longamente
a nossa vida. As sombras que rodeiam
o êxtase, os bichos que levam ao fim do instinto
seu bárbaro fulgor, o rosto divino
impresso no lodo, a casa morta, a montanha
inspirada, o mar, os centauros do crepúsculo
- aspiram longamente a nossa vida.

Por isso é que estamos morrendo na boca
um do outro. Por isso é que
nos desfazemos no arco do verão, no pensamento
da brisa, no sorriso, no peixe,
no cubo, no linho, no mosto aberto
- no amor mais terrível do que a vida.

Beijo o degrau e o espaço. O meu desejo traz
o perfume da tua noite.
Murmuro os teus cabelos e o teu ventre, ó mais nua
e branca das mulheres. Correm em mim o lacre
e a cânfora, descubro tuas mãos, ergue-se tua boca
ao círculo de meu ardente pensamento.
Onde está o mar? Aves bêbedas e puras que voam
sobre o teu sorriso imenso.
Em cada espasmo eu morrerei contigo.

E peço ao vento: traz do espaço a luz inocente
das urzes, um silêncio, uma palavra;
traz da montanha um pássaro de resina, uma lua
vermelha.
Oh amados cavalos com flor de giesta nos olhos novos,
casa de madeira do planalto,
rios imaginados,
espadas, danças, superstições, cânticos, coisas
maravilhosas da noite. Ó meu amor,
em cada espasmo eu morrerei contigo.

De meu recente coração a vida inteira sobe,
o povo renasce,
o tempo ganha a alma. Meu desejo devora
a flor do vinho, envolve tuas ancas com uma espuma
de crepúsculos e crateras.

Ó pensada corola de linho, mulher que a fome
encanta pela noite equilibrada, imponderável -
em cada espasmo eu morrerei contigo.

E à alegria diurna descerro as mãos. Perde-se
entre a nuvem e o arbusto o cheiro acre e puro
da tua entrega. Bichos inclinam-se
para dentro do sono, levantam-se rosas respirando
contra o ar. Tua voz canta
o horto e a água - e eu caminho pelas ruas frias com
o lento desejo do teu corpo.
Beijarei em ti a vida enorme, e em cada espasmo
eu morrerei contigo.

Herberto Helder

"Se tu conheces a alegria, partilha-a. A felicidade só existe se não a guardarmos para nós"

(...)

"Quando vejo tanto trabalho que há a fazer na Terra, não compreendo que haja ainda gente que se aborrece. Caroline, uma menina de cinco anos, perguntava-me depois de ter ouvido os adultos a falar de Rwanda: "Yolande o que é Rwanda?"

Expliquei-lhe o mais simplesmente possível, o que é a guerra. Perguntou-me então o que acontecia ás crianças de lá. Disse-lhe a verdade a verdade, mas com cuidado para não a traumatizar. Ficou com uma expressão consternada e depois de reflectir, disse, tranquila: "Felizmente que isso se passa noutro planeta!" Espantada perguntei-lhe porque julgava que era assim. A resposta deu-me quase vergonha de ser adulta: "Se fosse na Terra, íamos ajuda-las!"

Se conseguir entrar em contacto com o seu coração de criança, tenho a certeza de que encontrará facilmente oportunidades de servir. "

Vigeant, Yolande, "As Onze Leis da Felicidade", Livros de Vida Editores - Colecção Astra

 

 

Dá-me dessas mãos o desejo,
Do beijo que nunca me deste ...
Dos sentidos dá-me o querer,
Que a tua presença seja infindável ...
Dá-me do saber a virtude,
De cada dia te querer de modo diferente,
Para que na mente, o amor não mude
Do sonho, segue um desejo ...
Duas bocas unidas e seladas
Como em tantas madrugadas,
Acordaram a sorrir ...
Sentir, sentir, sentir ...
Mão na mão, olho no olho ..
Ciente, calmo e apaziguador
Esse gesto que fazes ausente,
De tudo o que é AMOR ...
Corre qual cavalo solto,
Ruge como um leão,
Porque este amor que é teu ...
Vem directo do coração.

 

Quado a semente é germinada
mais uma flor é gerada
na Roseira da vida...Mãe
se tiver espinhos ela os tira
cuidando como tesouro o seu botão
tão esperado
florescendo por nove meses
e quando desabrocha
mais uma rosa será ingressada
no jardim da vida
enquanto ela aguarda
vai tecendo teias de sonhos
para a sua Rosa amada
comparação divina
entre a Rosa e a mãe
Rosa flor delicada da natureza
Rosa Mãe delicadeza em um todo
esse todo divino e imaculado
vem de uma providência divina
neste dia de comemoração
guardo ainda tua Rosa no coração
aquela que quando me esperava
virou tambem semente
fazendo-me na vida uma mãe
e hoje posso te dizer
que o teu amor não foi em vão
carrego na minha bagagem
duas lindas Rosas perfeitas
que sem ti e a providência Divina
não existiriam
Rosa você, Rosa eu, Rosa na multidão.

 

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a Lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento...

Como um canto longínquo - triste e lento -
Que voga e sutilmente se insinua,
Sobre o meu coração que tumultua,
Tu vestes pouco a pouco o esquecimento...

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando. entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Gênio da Noite, e mais ninguém!

Antero de Quental

 

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.E então, pude relaxar.Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.Hoje sei que isso é...Autenticidade.Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.Hoje chamo isso de... Amadurecimento.Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.Hoje sei que o nome disso é... Respeito.Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.Hoje sei que se chama... Amor-próprio.Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.Hoje sei que isso é... Simplicidade.Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.Hoje descobri a... Humildade.Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.Tudo isso é... Saber viver!!!

Charles Chaplin

 

 

A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso.

Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade.

Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?
Charles Chaplin

 

Com o tempo...
Você aprende que estar com alguém
só porque esse alguém lhe oferece um bom futuro,
significa que mais cedo ou mais tarde você irá
querer voltar ao passado...

Com o tempo...
Você se dará conta que casar só porque “está sozinho(a)”,
é uma clara advertência de que
o seu matrimônio será um fracasso...

Com o tempo...
Você compreende que só quem é capaz de lhe amar
com os seus defeitos, sem pretender mudar-lhe,
é que pode lhe dar toda a felicidade que deseja...

Com o tempo...
Você se dará conta de que se você está ao lado
de uma pessoa só para não ficar sozinho(a),
com certeza uma hora você vai desejar não voltar a vê-la...

Com o tempo...
Você se dará conta de que os amigos verdadeiros
valem mais do que qualquer montante de dinheiro...

Com o tempo...
Você entende que os verdadeiros amigos se contam nos dedos,
e que aquele que não luta para os ter,
mais cedo ou mais tarde se verá rodeado
unicamente de amizades falsas...

Com o tempo...
Você aprende que as palavras ditas num momento de raiva,
podem continuar a magoar a quem você disse,
durante toda a vida...

Com o tempo...
Você aprende que desculpar todos o fazem,
mas perdoar, só as almas grandes o conseguem...

Com o tempo...
Você compreende que se você feriu muito um amigo,
provavelmente a amizade jamais será a mesma...

Com o tempo...
Você se dá conta de que cada experiência vivida
com cada pessoa, é irrepetível...

Com o tempo...
Você se dá conta de que aquele que
humilha ou despreza um ser humano,
mais cedo ou mais tarde sofrerá as mesmas humilhações e desprezos,
só que multiplicados...

Com o tempo...
Você aprende a construir todos os seus caminhos hoje,
porque o terreno de amanhã
é demasiado incerto para fazer planos...

Com o tempo...
Você compreende que apressar as coisas
ou forçá-las para que aconteçam,
fará com que no final não sejam como você esperava...

Com o tempo...
Você se dará conta de que, na realidade,
o melhor não era o futuro,
mas sim o momento que estava vivendo naquele instante...

Com o tempo...
Você aprende que tentar perdoar ou pedir perdão,
dizer que ama, dizer que sente falta,
dizer que precisa, dizer que quer ser amigo...
...junto de um caixão...
...deixa de fazer sentido...

Por isso, recorde sempre estas palavras:
“O homem torna-se velho muito rápido e sábio demasiado tarde”.
Exatamente quando:
“JÁ NÃO HÁ TEMPO!”

 

Smile
Charles Chaplin
Composição: Charles Chaplin

Smile,
Tough your heart is aching
Smile,
Even though it's breaking,
When there are clouds in the sky, you'll get by
If you smile
Through your fears and sorrow, smile
And maybe tomorrow
You'll see the sun come shining through for you.
Light up your face with gladness,
Hide ev'ry trace of sadness,
Altho' a tear may be ever so near,
That's the time you must keep on trying,
Smile,
What's the use of crying,
You'll find that life is still worhwhile,
If you just smile.

 

Ela pode ser o rosto que não consigo esquecer
Um traço de prazer ou arrependimento
Pode ser o tesouro ou
O preço que tenho que pagar

Ela pode ser a canção que o verão canta
Pode ser o arrepio que o outono traz
Pode ser as centenas de coisas diferentes
Que acontecem em um dia

Ela pode ser a bela ou a fera
Pode ser a fome ou a ceia
Pode se transformar todo dia em
Céu ou inferno

Ela pode ser o espelho dos meus sonhos
Um sorriso refletido em uma correnteza
Ela pode não ser o que parece
Dentro de sua casca

Ela que sempre parece feliz na multidão
Cujos olhos podem ser tão reservados e tão orgulhosos
Ninguém pode vê-los
Quando eles choram

Ela pode ser o amor que não vai durar
Pode vir a mim de sombras do passado
Que eu lembro até o dia que morrer

Ela pode ser a razão pela qual eu sobrevivo
O porque de eu estar vivo
A pessoa com quem me preocuparei nos
Anos dificeis

Eu, levarei seu sorriso e suas lágrimas
E fazer deles minhas lembranças
Por que onde ela for, eu tenho que estar
O sentido de minha vida é ela, ela, ela...

 

 

Estas são as palavras que me ensinam a vida todos os dias. Com elas me deito, com elas acordo. Um obrigado carinhoso a quem tão docemente as partilha comigo:

 

Link: _Heart_Soul_

Pensamentos:
Abrigo por Anamel às 20:15

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Poeta da Alma

Palavras

 

Gosto das palavras.
As tuas.

Sejam praias de sentires
ou recantos de ficção.

Gosto, porque de palavras me visto.
Ou desnudo as melancolias

 

 

Sonhos tresmalhados

  

Os amantes sem dinheiro

Tinham o rosto aberto a quem passava.
Tinham lendas e mitos
e frio no coração.
Tinham jardins onde a lua passeava
de mãos dadas com a água
e um anjo de pedra por irmão.

Tinham como toda a gente
o milagre de cada dia
escorrendo pelos telhados;
e olhos de oiro
onde ardiam
os sonhos mais tresmalhados.

Tinham fome e sede como os bichos,
e silêncio
à roda dos seus passos.
Mas a cada gesto que faziam
um pássaro nascia dos seus dedos
e deslumbrado penetrava nos espaços.

Eugénio de Andrade

 

 Acordar com as tuas palavras

 

Há palavras sem resposta, de tão belas.
Fiquei sem palavras, até que a madrugada se foi e eu acordei contigo no pensamento...

Eu que me descubro tantas vezes nos bosques da ficção, eu que dispo tantas vezes os meus sentimentos na palavra, eu que percorro todos os caminhos das emoções na pele milenar da voz escrita sem devaneios, gosto que me atormentem assim.

Gosto de sentir o roçar das palavras na minha nuca, ainda que sejam encontros de madrugadas juradas aos ventos da fantasia.

Gosto de sentir o murmúrio sensual do mar escrito em colunas sufocadas pelas vagas.

Gosto de sentir o corpo tremer, crescer, estender-se e ficar, intensamente curvado sobre a boca das palavras.

Gosto de fazer amor, beijar todos os poros, ser língua e espada, grito e adejar dolente, abrir de par em par a porta dos corpos, das almas, ser inteiro dentro e fora, no sexo ou na virtude, e ficar assim, calado, que as palavras me emudeceram a resposta.

Gostei de ficar sem palavras, porque disseste todas as palavras.

Percorro-te o corpo em sinestesias de paixão, mordo-te o seios que sufocam a vida, passo-te a mão na mão da alma, tremo fazendo-te tremer, afago o sexo virtual que fazemos em lençóis amarrotados ao ritmo com que escrevemos a paixão segundo São Devaneio, entro em ti como se fosses o veneno final do apetite redescoberto, seduzo-te os sentidos porque és onda, gaivota, nuvem, falésia, e sorris o desejo com o brilho das gotas de seiva a correr.

E fico aqui, os olhos abertos à tua nudez desembaraçada, brincando com Eros na plenitude natural dos campos primaveris.

Eu sei que te desejo.

Mas há um sol que encandeia as nuvens, a chuva que apaga os regos por onde encaminhamos o desencanto unilateral de sermos apenas ficção.

 

Sobre o autor: Poeta da Alma

Pensamentos:
Sábado, 5 de Abril de 2008

Esta sede que te sinto..

Há um olhar que se esconde

ao redor das colinas

Há um desejo a brotar

na aura que se envolve

Existe assim sem que se entenda

estas palavras que brotam nos gestos

 

Há para além dos sentidos

o profetizar de outra vida

que a todo o momento se quer aqui

E se existir o momento a seguir

queiramos então que o sonho não seja ilusão

Beber dos teus lábios esta sede que te sinto.. 

4/4/08

Pensamentos: , ,
Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Quando..

Quando um dia te lembrares de mim
conta-me as palavras que não soubeste escrever

Quando um dia me quiseres amar
Conta-me o que sentires nas entrelinhas da minha pele

Quando um dia me sentires longe das tuas memórias
Conta-me os teus desejos nas ondas que desaguam na praia do teu corpo

Quando um dia não souberes o que sentes
Conta-me os carinhos que há tanto esperas

Quando um dia não souberes o caminho que te traz de regresso a mim
Não queiras a  metade de mim

Quando eu quero ser tua por inteiro

Não quero metade de coisa alguma
Quero ainda que o sonho por inteiro.

31/03/08

Pensamentos: , ,
Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Fica com a menina..

Senti de repente

Este mar ardente

Adentro da minha pele

Senti nas sombras d'areia

Os nossos corpos unidos

Espelhados nas águas

O horizonte guardado na memória

deste momento.

E um dia quis sentir

A alma na pele

Os sentidos pressentir

Antes da vida renascer

Sei agora

A sabedoria dos dias

Das vidas que vieram

Dos filhos que não nasceram

Que cresceram na quimera

de tudo o que anseia.

Estou em ti

Porque estás em mim

Agora,

a cada instante.

23/03/08

Pensamentos: ,
Abrigo por Anamel às 21:07

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Pensamentos à deriva..

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30

Abrigos recentes

Aromas nos gestos

Respirar-te

A musica nas tuas mãos..

Janela do teu olhar

Para o meu amor..

_Heart_Soul_

Poeta da Alma

Esta sede que te sinto..

Quando..

Fica com a menina..

Sótão dos Pensamentos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Pensamentos

alentejo blue(1)

alunos(2)

amar(3)

amigos(4)

amigos virtuais(6)

amor(5)

eu(45)

fernando pessoa(1)

filmes(1)

fotografia(3)

livros(7)

mãe(15)

monica ali(1)

musica(1)

natal(1)

ornatus violeta(1)

poesia(66)

sentir(1)

viagens(2)

vinicius de morais(1)

todas as tags

Deixa o teu comentário..

Enviar Email

Favoritos

'I dreamed a dream' - Gle...

'Don't stop believing' (S...

Fica com a menina..

'Tento saber' - Nuno Guer...

'Ballade pour Adeline' - ...

'Into the night' - Carlos...

Abrigo de Pensamentos

↑ Grab this Headline Animator

 Subscrever Abrigo de Pensamentos

Escrever email:

Delivered by FeedBurner

Descubram-me no abrigo das palavras

blogs SAPO

Subscrever feeds